Ensino e pesquisa

DIRETORIA DE ENSINO E PESQUISA

Dr Luiz Fernando 1

Diretor: Dr.  Luiz Fernando Martins
Doutor em Medicina, Universidade de Berlim, Alemanha; Membro Extraordinário da Sociedader Alemã de Neurocirurgia; Membro Titular da Sociedade Brasileira de Neurologia …

dep@hugo.org.br

Divisão de Ensino:  

Comissão de Residência Multiprofissional –  

Comissão de Residência Médica – 

Comitê de Ética em Pesquisa –  – 

Biblioteca:  biblioteca@hugo.org.br

Diretoria e coordenação dos estágios: dep@hugo.org.br – Diretoria de Ensino e Pesquisa

Coremu: – Comissão de Residência Multiprofissional

Coreme:  – Comissão de Residência Médica

Biblioteca: biblioteca@hugo.org.br – Biblioteca

Comitê de Ética: cepmh_hugo_ – Comitê de Ética em Pesquisa

 ESTAGIOS

Estágio Curriculares

O Estágio é a oportunidade para os estudantes colocrem em prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula, de modo que possam vivenciar a teoria no dia a dia, absorvendo melhor os conhecimentos, podendo refletir e confirmar sua escolha.

O estágio é um complemento do aprendizado dos cursos de nível médio, técnico ou superiores, regido pela Lei 11.788 de 25 de setembro de 2008.

Embora a legislação reconheça estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios, o HUGO oferece somente campos para estagiários curriculares obrigatórios, especialmente para alunos de cursos técnicos, tecnológicos, graduação e pós-graduação na área de saúde.

Áreas para estagiar no HUGO:

– Enfermagem
– Farmácia
– Fisioterapia
– Nutrição
– Psicologia
– Medicina
– Serviço Social

O HUGO oportuniza campos de estágio de instituições conveniadas. A instituição interessada deve procurar a Superintendência de Educação em Saúde e Trabalho para SUS, para fins de apresentar suas demandas, verificar as possibilidades de atendimento e firmar o respectivo convênio.

Documentos que os alunos devem apresentar:

– Cópia da carteira de vacinação;
– Uma foto 3 x 4;
– Termo de Compromisso (1 via);
– EPIs fornecido pela Instituição de Ensino, conforme quadro de quantitativos de EPIs para uso dos estagiários;

Pré-requisitos para iniciar o estágio:

– Participar da Aula de Acolhimento no HUGO (mediante agendamento)

Outros serviços:

Visita técnica ao hospital:

– Solicitar autorização junto a SEST (3201.3404);
– Limite de 6 (seis) alunos por grupo de segunda a sexta-feira;
– Os visitantes deverão ser acompanhados por um professor da Instituição de Ensino;
– Os visitantes não serão contemplados com os seguintes itens: estacionamento, refeição e material didático (fotocópia);

Contrapartida de Bolsas da OVG:

– O aluno deverá ser cadastrado no Programa Bolsa Universitária (OVG);
– Se apresentar na Divisão de Ensino e Pesquisa (DEP) munidos de ficha de Encaminhamento do Bolsista, devidamente preenchida;
– Relatório de Desempenho do Bolsista, devidamente preenchido;
– Ficha de frequência do Bolsista, todos adquiridos no site da OVG;
– 2 fotos 3×4;
– Preencher Cadastro de Bolsista (OVG);

Obs: Os bolsistas só desempenharão atividades administrativas e não estão contemplados com os seguintes itens: estacionamento, refeição e material didático (fotocópia).

Divisão de Ensino e Pesquisa
Contato: (62) 3201.4436
dep@hugo.org.br

LOGO-COREME

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA – COREME

Instituída pelo Decreto nº 80.281 de 5 de setembro de 1977, a Residência Médica é uma modalidade de ensino de pós-graduação destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização, funcionando em instituições de saúde, sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional, sendo considerada o “padrão ouro” da especialização médica. Uma vantagem da residência é ser um método de pedagogia médica que não prejudica a atividade sanitária assistencial. Ao contrário, amplia a quantidade e assegura a melhora da qualidade do atendimento à população, por isso proporciona ao médico em treinamento, excelente oportunidade de se exercitar sob supervisão, nas mesmas condições em que trabalhará.

O mesmo decreto criou a Comissão Nacional de Residência Médica – CNRM, órgão que credencia e reconhece os Programas de Residência Médica, sendo composta pelos Ministérios da Saúde, da Educação (MEC) e da Previdência Social (MPAS), além de entidades médicas, como o Conselho Federal de Medicina (CFM).

O conceito de Residência Médica surgiu nos Estados Unidos, em 1889, quando a Associação Médica Americana criou um sistema de instrução baseado na utilização de rede hospitalar para o ensino com treinamento profissional em serviço. Na época, era necessário que o médico em treinamento residisse na instituição onde funcionava o programa para estar disponível no hospital em tempo integral.

No Brasil, os primeiros programas foram criados na década de quarenta (1948) no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo e no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro e em 1960 houve a ampliação das atividades em hospitais tradicionais, ligados as universidades de diversas regiões do país.

Em 1981, com a publicação da Lei nº 6.932, que dispõe sobre as atividades dos médicos residentes, determinou-se o uso da titulação de “especialista” para os concluintes de programas credenciados pela CNRM.

A Comissão de Residência Médica da Secretaria de Ensino da Saúde e a Direção do Hospital de Urgências de Goiânia – HUGO, engajados com a política nacional de formar médicos capacitados nomeou e constituiu a Comissão de Residência Médica / COREME em 29/11/1995, conforme Coletânea de Documentação Interna / HUGO – volume-01.

O Hospital De Urgências de Goiânia teve sua Residência Médica credenciada pelo CNRM/MEC no ano de 1997, através do Ofício nº 9751/CNRM/SESU/MEC, de 22 de outubro de 1996, nas áreas de Clínica Médica, Neurologia e Cardiologia.

A COREME, iniciou seus trabalhos nesta Unidade Hospitalar, coordenando 11 (onze) preceptores e 13 (treze) médicos residentes.

Atualmente a COREME coordena um corpo robusto de 63 (sessenta e três) médicos preceptores e 61 (sessenta e um) médicos residentes, e segue formando profissionais nas áreas de Anestesiologia, Cardiologia, Cirurgia do Trauma, Cirurgia Geral, Clínica Médica, Geriatria, Medicina de Urgência, Medicina Intensiva, Neurologia e Ortopedia e Traumatologia.

Com a nova gestão, realizada pelo Instituto GERIR, que apoia o ensino e a pesquisa, foram abertas, no ano de 2013, 10 novas vagas de especializações médicas, sendo respectivamente, Medicina de Urgência (04 vagas), Cirurgia do Trauma (02 vagas) e Medicina Intensiva (04 vagas). No ano de 2014, foi pleiteado junto à CNRM o credenciamento da Residência Médica em Anestesiologia sendo o mesmo aprovado na data de 28 de agosto do corrente ano, com autorização para 03 (três) vagas de R1 para início do exercício em 2015.

 

A COREME/HUGO tem a seguinte composição para os anos de 2015/2017:

Coordenador: Dr Durval Ferreira Fonseca Pedroso – Médico Intensivista
Vice-Coordenador: Dr. Ricardo Curado de Oliveira e Silva – Médico Cardiologista
1ª. Secretário: Dr. Alex Caetano dos Santos – Médico Cirurgião Geral
2ª. Secretária: Dra. Gisele Rodrigues Fonseca Sagawa – Médica Geriatra
Assessores Administrativos da Coordenação: Sra. Alessandra Curado Taveira Ferreira; Sr. Danilo Pereira Japiassú e Sra. Marluce do Carmo Messias

9-urgencia-odontologica

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM URGÊNCIA E TRAUMA E RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL

As Residências Multiprofissionais e em área profissional da saúde são iniciativas dos Ministérios da Saúde e da Educação, criadas a partir da promulgação da Lei no. 11.129 de 2005 e orientadas pelos princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde – SUS a partir das necessidades e realidades locais e regionais.

A Residência constitui modalidade de Ensino de Pós-graduação lato sensu, sob a forma de curso de especialização, caracterizado por ensino em serviço, com carga horária de 60 horas semanais e duração mínima de dois anos, com recebimento de bolsa, abrangendo diversas profissões da saúde.

O Programa de Residência Multiprofissional em Urgência e Trauma em Residência em Área Profissional em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial conta como Instituição Executora a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás e Instituição Formadora a Universidade Evangélica de Anápolis. É vinculado ä Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde de Goiás – COREMU/GO, Superintendência de Educação em Saúde e Trabalho para o SUS, tendo como sede e campo de atuação principal o Hospital de Urgência de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz-HUGO. Ao organograma, apresenta-se diretamente ligado à Diretoria de Ensino e Pesquisa.

As áreas profissionais abrangentes são: Enfermagem, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Serviço Social e Cirurgia Bucomaxilofacial.

Os profissionais de Saúde Residentes recebem o suporte técnico/administrativo de um Coordenador Local (tutorial de campo), um Tutor de Núcleo e Preceptores.

residencia-em-trauma

ÁREAS:

As áreas profissionais abrangentes são: Enfermagem, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Serviço Social e Cirurgia Bucomaxilofacial.

Os Profissionais de Saúde Residentes recebem o suporte técnico/administrativo de um Coordenador Local (tutoria de campo), um Tutor de Núcleo e Preceptores.

Tutores de Núcleos das Residências:

Cirurgia Bucomaxilofacial – Gilberto Fenelon das Neves
Enfermagem – Maria de Fátima do Nascimento Silva Delfino
Fisioterapia – Sandra Belmonte Pereira Moreira
Fonoaudiologia – Lucila Stopa Fonseca dos Reis
Nutrição – Larissa Silva Barbosa
Psicologia – Ana Paula Cordeiro de Menezes Silveira
Serviço Social – Tanimar Pereira Coelho Marinho

INFORMAÇÕES:

(62) 3201.4436
E-mail: dep@hugo.org.br

logo-CEP

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (C.E.P/HUGO/SES-GO)

Coordenador: Aurélio de Melo Barbosa
2º. Coordenador: Marília Lopes Bortolini Franco
Secretárias: Maria Helena Nunes Borges – Valtelina Pinchamel Cerqueira

Horário de Funcionamento:
De segunda a sexta-feira, das 7:00 às 18:00h
Localização: Avenida 31 de Março esquina com 5ª. Radial s/nº – Setor Pedro Ludovico-Subsolo do prédio/HUGO.

Contatos: e-mail: cepmh_hugo_ses@yahoo.com.br

O Comitê de Ética em Pesquisa Médica Humana do Hospital de Urgências de Goiânia (CEP-HUGO) é uma instância colegiada, interdisciplinar e independente, de natureza consultiva, deliberativa e no âmbito da emissão de pareceres sobre protocolos de pesquisas, educativa e autônoma, vinculada ao Hospital de Urgências de Goiânia Waldomiro Cruz (HUGO) instituído conforme Portaria nº 016 de 18 de Dezembro de 2002, nos termos da Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) de número 466, de 12 de dezembro de 2012, e normas complementares. Renovação do registro aprovada   em:30 de julho de 2014, conforme Carta Circular nº 091/2014 CONEP/CNS/GB/MS.

    
Papel do Comitê:

O Comitê de Ética em Pesquisa é responsável pela avaliação etica e acompanhamento dos aspectos éticos de todas as pesquisas envolvendo seres humanos realizadas na Instituição ou fora dela. Este papel está bem estabelecido nas diversas diretrizes éticas nacionais e internacionais. Diretrizes estas que ressaltam a necessidade de revisão ética e científica das pesquisas envolvendo seres humanos, visando salvaguardar a dignidade, os direitos, a segurança e o bem – estar do participante da pesquisa.

Toda pesquisa envolvendo seres humanos deverá ser submetida à apreciação de um Comitê de Ética em Pesquisa, inclusive estudos de dois ou mais casos.

Colegiado do Comitê de Ética:

  1. a) A participação dos membros é voluntária, são pessoas convidadas e seus currículos aprovados pelo colegiado;
  2. b) Os membros podem ser pessoas de fora da instituição;
  3. c) Duração do mandato é de três (3) anos
  4. d) A escolha do coordenador é feita pelos membros, obedecendo ao Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa;

A composição e os procedimentos para tomada de decisão no CEP devem assegurar sua característica fundamental de independência relativa a influências políticas, institucionais, hierarquias, cooperativas, financeiras e econômico mercadológicas.

Representante dos Usuários do SUS: 

É essencial que o CEP tenha a opinião daqueles que utilizam os serviços da Instituição ou que mais frequentemente poderão participar dos projetos como voluntários, sendo este um representante dos usuários que deverá:

  1. a) Ser indicado pelo Conselho Municipal de Saúde ou associações de usuários, portadores de Patologias, associações de Moradores, mulheres, idosos e etc. (Resolução CNS 240/97);
  2. b) Não deve ser funcionário da instituição;
  3. c) Não deve ser da área de saúde;
  4. d) Ser interessado no estudo da Ética na pesquisa e na defesa dos direitos dos cidadãos e usuários de serviços sendo capaz de contribuir nas discussões dos protocolos específicos, representando os interesses e preocupações da comunidade e sociedade local.

Orientações Básicas para submissão de projetos de pesquisa ao CEP através da Plataforma Brasil:

Link: www.saude.gov.br/plataformabrasil

Cadastramento na Plataforma:

Para ter acesso às funcionalidades da Plataforma Brasil é preciso se cadastrar no sistema. Para efetuar o cadastro é necessário inserir uma cópia digitalizada de um documento de identidade (em formato ‘DOC’ ou ‘PDF’), uma foto (em formato ‘JPG’ ou ‘PDF’ com resolução de 1000 DPI 2000PI) e currículo (em formato ‘DOC’, ‘DOCX’, ‘ODT’ e ‘PDF’ – máximo 2mb). Para aqueles que possuem currículo lattes, basta incluir o link de acesso.

Ainda no cadastro, o pesquisador deve se vincular a uma instituição proponente.

Após efetivação do cadastro, a Plataforma Brasil enviará para o e-mail cadastrado uma senha para que o usuário possa acessar o sistema. Recomenda-se que esta seja alterada ao primeiro login.


Submissão de projeto ao CEP/HUGO

Após a conclusão do cadastramento, o pesquisador poderá iniciar a submissão de seu projeto de pesquisa, preenchendo o formulário próprio do sistema e inserindo todos os documentos necessários ao final.

Na página 06 do formulário, clique em “Enviar ao CEP” para que o protocolo seja recebido pelo CEP.

Atenção: Todos os documentos anexados pelo pesquisador devem possibilitar o uso dos recursos “Copiar” e “Colar” em qualquer palavra ou trecho do texto.

Maiores orientações para submissão de projetos: na página inicial da plataforma clique em  “Manuais”, “Ver todos”, “SUBMISSÃO_DE_PROJETO_DE_PESQUISA”.

 

ATENÇÃO ACADÊMICOS: é obrigatória a inserção do(s) orientador(res) e coorientador como equipe de pesquisa. Para isso  todos  devem estar cadastrados na Plataforma Brasil.

Validação Documental:

“Em recepção e validação documental pelo CEP”,

A triagem para verificação da documentação submetida via Plataforma ocorrerá  logo após a entrada do projeto no CEP.

Observação.: Caso seu projeto não esteja com a documentação adequada e for rejeitado na validação  você recebrá  um comunicado informando a “pendência documental”. Esclarecemos o termo “pendência”  equivale a necessidade de adequação  documental e posterior reenvio  do protocolo para apreciação do CEP.

Como responder pendências listadas pelo colegiado:

Quando um protocolo recebe parecer de pendente, o pesquisador deve verificar no parecer consubstanciado as considerações feitas pelo Comitê de Ética e alterá-las dentro das 6 páginas para submissão do projeto de pesquisa no sistema, em seguida, deve clicar em “ENVIAR PROJETO AO CEP”, na etapa final da submissão. Só assim o CEP receberá o projeto novamente para verificar as alterações realizadas.

Observação: Só serão aprovados os projetos cujas pendências forem integralmente adequadas.

Solicitação de Emendas ao Protocolo aprovado:

Sempre que o pesquisador quiser efetuar qualquer modificação no conteúdo do protocolo, sem que haja mudança metodológica, após emissão de parecer de aprovação (ex: número de sujeitos, centros participantes, equipe. etc.) deve solicitar uma emenda ao CEP por meio da Plataforma Brasil. Ao final da edição do cadastro da pesquisa na Plataforma, no item “Justificativa da Emenda”, o pesquisador deve explicar de forma clara e sucinta onde foram feitas as alterações no protocolo e a(s) justificativa(s).A emenda será analisada pelas instâncias de sua aprovação final (CEP e/ou CONEP).

Maiores orientações para submissão de emendas: ao fazer login na plataforma clique  em “Manuais”, “Ver todos”, “SUBMISSÃO DE EMENDA”.

O pesquisador deve aguardar parecer favorável do  Sistema CEP/Conep para dar início à execução das modificações solicitadas.

Caso as modificações ou inclusões necessitem mudança metodológica, faz-se necessária nova submissão do protocolo ao CEP/ENSP.

ATENÇÃO: Nenhuma mudança no protocolo pode ser realizada sem aprovação do CEP!

Uma notificação deve ser enviada ao CEP quando o pesquisador precisar encaminhar algum documento ao CEP. Exemplo: anuência de coparticipantes, envio de relatório parcial, etc. Uma notificação, não pode ter nenhuma alteração no protocolo aprovado. Caso necessite alteração deve-se enviar uma emenda. Maiores orientações para envio de notificação  fazer login na plataforma clique   em “Manuais”, “ENVIO DE NOTIFICAÇÃO”

Suspensão de estudo:

Em caso de suspensão do estudo, o pesquisador deve apresentar relatório completo ao CEP incluindo item para solicitação da suspensão do estudo e justificativa.

Pesquisas com dados de domínio público:

As pesquisas que utilizarão apenas dados de domínio público de acesso IRRESTRITO que não identifiquem sujeitos, ou apenas revisão bibliográfica, sem envolvimento de seres humanos, não necessitam aprovação por parte do Sistema CEP-CONEP.

No entanto, aqueles pesquisadores que desejarem um parecer do CEP/HUGO deverão apresentar os seguintes documentos diretamente na secretaria Comitê de Ética em Pesquisa

  1. a) Formulário de encaminhamento com assinatura do pesquisador/orientador;
  2. b) Carta justificando a necessidade do parecer;
  3. c) Projeto na íntegra.

Observação.: No caso acima todos os documentos deverão ser entregues impressos e gravados em um CD, de maneira que permita o uso do recurso “copiar e colar”. O CEP terá o prazo de 30 dias para emitir um parecer.

O mesmo não se aplica as seguintes modalidades de pesquisas:

  1. I) pesquisas que utilizarão dados de domínio público mas que identificam sujeitos
  2. II) pesquisas que utilizarão dados públicos mas que seja necessário a efetuação de um cadastro com senha para que o pesquisador tenha acesso as informações (e que identifiquem sujeitos).

Para ambos os casos será necessária a submissão do projeto de pesquisa ao CEP por meio da Plataforma Brasil.

Observação: O CEP não emitirá parecer para trabalhos que já tenham feito a análise dos dados.

Anexos:

  1. a) Apresentar “Folha de Rosto” (gerada a partir do cadastro na Plataforma Brasil) com os termos de compromisso devidamente datados e assinados. O termo de compromisso deve ser assinado pelo responsável maior da Instituição. Caso o pesquisador seja o responsável maior da Instituição, o seu substituto deverá assinar o documento;
  2. b) Protocolo de pesquisa: Anexar arquivo integral do Projeto de Pesquisa, que deve possibilitar o uso dos recursos “Copiar” e “Colar”;
  3. c) Apresentar Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE. Na ausência do TCLE, apresentar justificativa;
  4. d) Currículos lattes da equipe de pesquisa (ou link do Lattes)
  5. e) Declaração de vínculo do pesquisador responsável com a Instituição;
  6. f) Carta de Encaminhamento do protocolo de pesquisa para o CEP;
  7. g) Termo de anuência prévia (para pesquisas que não forem desenvolvidas na rede da SES/GO);
  8. h) Autorização para coleta de dados no(s) setore(s;
  9. i) Termo de compromisso para pesquisa em prontuários médicos;
  10. j) Declaração de infraestrutura (projetos de pesquisas clínicas multicêntricos);
  11. l) Apólice de Seguro (projetos de pesquisas clínicas multicêntricos);

PARA PESQUISAS NA REDE DA SES/GO:

Anexar também:

  1. a) Autorização do responsável de cada unidade (onde será desenvolvido o estudo);
  2. b) Declaração de Coparticipante, se a Unidade for coparticipante da pesquisa;

Requisitos específicos dos protocolos de pesquisa-Áreas Temáticas Especiais- Norma Operacional 001/2013(3.4.2):

  1. a) Se o propósito for testar um produto ou dispositivo para a saúde, novo no Brasil, de procedência estrangeira ou não, deverá ser indicada a situação atual de registro junto às agências regulatórias do país de origem, se houver;
  2. b) Identificar as fontes materiais de pesquisa, tais como espécimes, registros, dados, a serem obtidos de seres humanos, indicando se esse material será obtido especificamente para os propósitos da pesquisa ou se, também será usado para outros fins;
  3. c) Relação das instituições participantes, na dependência do protocolo proposto:d) Protocolos multicêntricos no Brasil: elencar o centro coordenador, centros participantes (indicando o pesquisador responsável pela pesquisa no centro e o CEP que acompanhará o andamento do estudo);
  4. d) Protocolos com centros coparticipantes: elencar, além do centro proponente do estudo, os centros coparticipantes.
  5. e) Pesquisas com coordenação e/ou patrocínio originados fora do Brasil com copatrocínio do Governo Brasileiro deverão explicitá-lo por meio de anuência oficial emitida pelo gestor federal de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos em Saúde.

MODELOS DE DOCUMENTOS:

  1. a) Modelo de Projeto de Pesquisa (Norma Operacional – 001/13);
  2. b) Carta de encaminhamento do projeto para o CEP
  3. c) Roteiro para elaboração do TCLE
  4. d) Termo de Anuência Prévia (para pesquisas desenvolvidas fora da rede da SES)
  5. e) Modelo de Relatório de Andamento de Pesquisas para pesquisadores com estudos aprovados pelo CEP/HUGO.

FÓRMULA PARA CALCULAR TAMANHO DA AMOSTRA

n=s2 .p.q.N / e2 (N-1) + s2.p.q.

onde:

n= Tamanho da amostra
s2 =  Nível de confiança escolhido, expresso em números de desvios padrão.
p = percentagem na qual o fenômeno se verifica
q = percentagem complementar (100- p)
N= Tamanho da população
e2 =  erro máximo permitido

RESOLUÇÕES:

1- Resolução CNS no. 466/12 – Todas as pesquisas.

2-Norma Operacional CNS no. 001/2013

3- Resolução CNS no.292, de 08 de julho de 1999 – Estabelece sobre pesquisas Conduzidas no Exterior ou com Cooperação Estrangeira.

4-Resolução CNS no. 441/11, estabelece sobre o uso de material biológico humano;

5- Resolução CNS no.251, de 07 de agosto de 1997 – Estabelece normas para pesquisas com Novos Fármacos, Vacinas e Testes Diagnósticos.

6- Resolução CNS no.304, de 09 de agosto de 2000 – Estabelece normas para pesquisas realizadas com povos indígenas como participantes da pesquisa.

7-Resolução CNS no. 303, de 06 de julho de 2000 – Dispõe sobre a apreciação ética de pesquisas pertencentes à área temática de reprodução humana

8-Resolução  CNS no.340, de  8 de julho de 2004- Estabelece as diretrizes para tramitação de análise ética de pesquisas pertencentes à área temática de genética humana

09-Resolução  CNS no. 346,de 13 de janeiro de  2005- Dispõe sobre a tramitação de protocolos de  pesquisas multicêntricas

10-Resolução  CNS no. 347,de  13 de janeiro de  2005- Pesquisa que envolva armazenamento de materiais ou uso de materiais armazenados em pesquisas anteriores:

Link/arquivo  digital:

I – Para os documentos sigilosos:

01- Todos os documentos referentes às pesquisas analisadas pelo CEP, anexados na plataforma Brasil, serão arquivados de forma sigilosa;

02- Terão acesso aos referidos documentos somente os funcionários administrativos e os membros/relatores do Comitê de Ética em Pesquisa, através de senha única.

Link/arquivo digital II – Para os estudos aprovados

02 – Poderão ser disponibilizados para o público interno e externo apenas os artigos e monografias anexados na plataforma Brasil, referentes aos projetos analisados e aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa.

BIBLIOTECA

A biblioteca do Hospital de Urgência de Goiânia, esta subordinada a Diretoria de Ensino e Pesquisa e tem como função planejar, executar e supervisionar as atividades que se referem a informação em Ciências da Saúde, dando suporte aos servidores, residentes, estagiários e demais interessados, em suas necessidades de pesquisa.

Possui um acervo especializado em ciências da saúde e áreas correlatas, formado por livros, periódicos nacionais e estrangeiros, monografias, multimeios e memória técnica. Mantém um acervo literário, objetivando propiciar informação, cultura e entretenimento e estimular o prazer pela leitura a todos os servidores do hospital.

SERVIÇOS OFERECIDOS:

  • Orientação à consulta no acervo local e em bases de dados e internacionais na área de saúde;
  • Cadastro na BIREME – Biblioteca Regional de Medicina, com acesso ao Scad-Serviço de cópias e documentos e catálogos de revistas científicas;
  • Orientação na normalização de monografias de acordo com as normas da AbNT e de Vancouver;
  • Elaboração de bibliografias especializadas;
  • Informações sobre eventos;
  • Terminais para acesso a Internet e Rede Wireless;
  • Empréstimo domiciliar aos servidores do HUGO.

PÚBLICO ALVO

Servidores e colaboradores do HUGO, bem como gestores, pesquisadores, estudantes e estagiários.

ACERVO

Monografias:

  • Residência Médica
  • Residência Multiprofissional

Materiais novos:

  • Regulamentos de empréstimos:
    Veja aqui …
  • Regulamento de uso da biblioteca:
    Veja aqui …
  • Normas para elaboração de Monografias:
    Veja aqui …

SITES RECOMENDADOS

01 - BVS
Veja site ..

03 - ibicit
Veja site …

04 - PORTLA DOMINIO PUBLICO
Veja site …

USP
Veja site …

02 - sci elo
Veja site …

 

HORÁRIO E ENDEREÇO:

Atendimento: Segunda a sexta das 07:00 às 18:00 horas.

Endereço: Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO) – Subsolo
Avenida 31 de Março esquina com 5ª. Radial, s/no. – Setor Pedro Ludovico

E-mail: biblioteca@hugo.org.br

EQUIPE

Bibliotecários:
Onofre José de Paula
Rosilda Caseli G.S. Pavão

Colaboradora
Nilda Santana

PALESTRAS

27.03.2015 – ERRO MÉDICO – RESPONSABILIDADE JURÍDICA –  Dr. Rodnei Lasmar, advogado especialista em direito médico, direcionada aos médicos residentes do hospital.
VEJA PALESTRA …

15.04.2015 – DORMIR E SONHAR SABENDO COMO – Com Dácio Almeida Pereira, fisioterapeuta do Instituto de Neurologia de Goiânia. O palestrante discorreu coberta do sonho, em 1953, passando pela história da medicina do sono, seus determinantes, funções, alterações, classificações, distúrbios e dicas de como dormir e sonhar bem, de maneira satisfatória para o nosso organismo. Os principais vilões do sono são: Finanças, trabalho, desconforto físico, televisão, computador, celular, saúde, roncar, café, chocolate e também comer demais antes de dormir.
VEJA PALESTRA …

16.04.2015 – CHOQUE SÉPTICO – DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO – Superintendente Técnico do Instituto de Gestão em Saúde – Gerir, Dr. José Mário Teles discorreu sobre sessão de atualização em medicina intensiva. O evento foi realizado para os profissionais internos e residentes do hospital, onde foram abordados desde as definições sobre o tema, como as características, incidências, apresentações de dados e fatores de riscos.
VEJA PALESTRA …

16.05.2015 –  FERIDAS QUE NÃO CICRATIZAM – Psicóloga Candy Gifford Miranda, Especializada em Psicologia Infantil – pioneira em Goiânia. Palestra recomendada a professores e pais, responsáveis diretos pela formação de nossas crianças. A palestrante discorre sobre as vantagens das inquietações do pensar e enfatiza que o nascedouro do aprender está na relação mãe-bebê.
VEJA PALESTRA …

03.06.2015 – COMO ESCREVER UM PROJETO DE PESQUISA – “Metodologia Científica” com a Dra. Ana Cláudia Camargo Campos – Doutora em Microbiologia pelo Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública IPTSP da Universidade Federal de Goiás – UFG em parceria com o Instituto de Pesquisa em Oncologia, Mestre em Medicina Tropical – Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública – IPTSP – UFG, professora adjunta da Faculdade Estácio de Sá de Goiás, autora do livro “Higiene e Saúde em Casa” (2012), professora de Pós-graduação e orientadora da turma de CCHI do CEEN PUC/GO, Membro do CEP/HUGO/SES e coordenadora do Instituto Health de Pós-graduação.
VEJA PALESTRA …

03 06 2015 – REFLEXÃO ÉTICA NA PRODUÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NA ÁREA PSICOSSOCIAL – Dra. Adriane Espíndola Mota Campos Azeredo, advogada, especialista em direito público, coordenadora adjunta do CEP/HGG, membro da Comissão de Direito Ético da OAB-GO, Membro da Comissão de Ética e Denúncia do Conselho Municipal de Saúde de Goiânia – GO.
Veja Palestra …

14.07.2015 – ÉTICA NO ATENDIMENTO DE URGÊNCIA – Com o Diretor Geral do Hospital de Goiânia (HUGO), Dr. Ciro Ricardo Pires de Castro. Para o doutor Ciro Ricardo, o principal componente da ética está na compaixão e no amor ao paciente.
VEJA PALESTRA …

21.082015 – PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES COM FRATURAS FACIAIS ATENDIDOS NO HUGO – IV Mostra Individual Científica, com palestra, palestra realizada do Dr. Alberto Ferreira da Silva Júnior, Cirurgião Bucomaxilofacial do HUGO, Mestre em Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UNB).
VEJA PALESTRA …

06.06.2015 – ENVELHECIMENTO COM QUALIDADE DE VIDA – Palestra proferida pela Dra. Gisele Sagawa – Médica Geriátrica, Supervisora de Residência em Geriatria do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO) e professora da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC.
VEJA PALESTRA …

20.06.2015 – ABORDAGEM INICIAL AO TRAUMA – Palestra com Dr. Euclides Barbosa, na I Jornada de Residência de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), realizado no Hotel Confort Suites – Flamboyant, com apoio do Insituto Gerir, HUGO e Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial.
VEJA PALESTRA …

11.08.2015 – SABER MORRER, VIVENDO, proferida pelo Professor Dr. Sebastião Gusmão, Titular de Neurocirurgia da Faculdade de Medicina de Belo Horizonte (MG), realizada no auditório do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO).
VEJA PALESTRA …

28.08.2015 – BOAS MANEIRAS DE SE DAR MÁS NOTÍCIAS – Palestra ministrada no auditório do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), pela Dra. Raquel Push, de Curitiba (PR)  – Psicóloga Cognitiva / Sistêmica; Mestre em Organização e Desenvolvimento – Políticas Públicas na Área da Saúde; pela FAE Business School – Centro Universitário – Curitiba – Pr; Especialista em Psicologia da Família – INEPE – Instituto Nacional de Ensino, Pós Graduação e Extensão – São Paulo -SP; Especialista em Psicologia da Saúde Mental, Psicopatologia, Psicanálise PUC – PR; Especialista em Psicologia Hospitalar  – CFP; Latu Sensu em Gestão de Conflitos e Crises nas Organizações – USP; Latu Sensu em Filosofia  Clinica – ITECNE – Curitiba – PR; Membro do Comitê de Cuidados Paliativos da AMIB – Associação de Medicina Intensiva Brasileira.
VEJA PALESTRA …

 

 




Entre em contato