Nossa estrutura

Subsolo

DSC_0871

 

DSC_0164

 

E-mail:ddrh@hugo.org.br

 

BIBLIOTECA

Horário de Funcionamento: 07 às 18 horas

Trabalhos acadêmicos: monografias dos residentes (COREME, COREMU e Pesquisas aprovadas pelo Comitê de Ética e Pesquisa – HUGO)

Recursos Tecnológicos: 04 pontos de acesso livre à internet; está cadastrada desde 1998 na BIREME (Biblioteca Regional de Medicina); acesso aos principais portais de ciências da saúde do Brasil.

E-mail: biblioteca@hugo.org.br

INFORMAÇÕES

A Biblioteca do Hospital de Urgências de Goiânia, está subordinada à Diretoria  de Ensino e Pesquisa e tem como função planejar, executar e supervisionar as atividades que se referem a informação em Ciências da Saúde, dando suporte aos servidores, residentes, estagiários, bolsistas e demais interessados, em suas necessidades de pesquisa e informação.

Possui um acervo especializado em ciências da saúde e áreas correlatas, formado por livros, periódicos nacionais e estrangeiros, monografias, multimeios e memória técnica e mantém  um acervo literário, objetivando propiciar informação, cultura e entretenimento e estimular o prazer pela leitura a todos os servidores do hospital.

Disponibiliza terminais de microcomputadores para acesso eletrônico de artigos completos publicados no país e no exterior e fornecem ainda informação científica das bases de dados online como Bireme, Up-to-Date, Periódicos  Capes, Scielo.org, Scielo.br, Pubmed, etc

SERVIÇOS OFERECIDOS

Orientação à consulta no acervo local e em bases de dados nacionais e internacionais na área de saúde;

Cadastro na BIREME – Biblioteca Regional de Medicina, com acesso ao Scad- Serviço de cópias de documentos e catálogos de revistas científicas

Orientação na normalização de monografias de acordo com as normas da ABNT e de Vancouver;

Elaboração de bibliografias especializadas;

Elaboração de fichas catalográficas;

Informações sobre eventos;

Terminais para acesso à Internet e Rede Wireless;

Empréstimo domiciliar aos servidores do HUGO.

 

PÚBLICO ALVO

Servidores e colaborados do HUGO, bem como gestores, pesquisadores, estudantes, bolsistas  e estagiários.

 

SITES RECOMENDADOS

www.scielo.org

http://www.periodicos.capes.gov.br

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books

http://www.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=Material&Tipo=8&nInicio=1&quant=9

http://books.scielo.org/

http://books.google.com.br/

http://scholar.google.com.br/

http://www2.fm.usp.br/biblioteca/

www.bireme.br

http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp

http://bdtd.ibict.br/

http://www.teses.usp.br/

http://bvsms.saude.gov.br/

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/periodicos

 

 

REGULAMENTO DE USO E DE EMPRÉSTIMOS (clique aqui)

 

 

 

ALMOXARIFADO (1)

Aassistência Farmacêutica

Dentro do ambiente hospitalar, a assistência farmacêutica tem por objetivo fazer com que o medicamento seja uma ferramenta para restaurar e preservar a saúde do paciente. Hoje o Departamento de Assistência Farmacêutica (DASF) do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), conta com uma equipe de farmacêuticos, assistentes e auxiliares de farmácia que dividem o atendimento em três unidades:

– Farmácia Satélite Central, responsável pela distribuição dos medicamentos a pacientes das enfermarias;

– Farmácia Satélite 1, que abastece os leitos das enfermarias do andar térreo; e

– Farmácia Satélite 2, que atende os pacientes do Centro Cirúrgico e da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Foi implantado na UTI o serviço de Farmácia Clínica, onde cada paciente, individualmente, é orientado sob as prescrições médicas.

Além de medicamentos, materiais médico-hospitalares e cirúrgicos, o departamento também é responsável pela agência transfusional (banco de sangue) do Hospital.

CME Esterilizacao (2)

É o local responsável por esterilizar todo o material e ferramenta utilizando no Hospital.

logo-CEP

E-mail: cepmh_hugo_ses@yahoo.com.br

O Comitê de Ética em Pesquisa Médica Humana do Hospital de Urgências de Goiânia (CEP-HUGO) é uma instância colegiada, interdisciplinar e independente, de natureza consultiva, deliberativa e no âmbito da emissão de pareceres sobre protocolos de pesquisas, educativa e autônoma, vinculada ao Hospital de Urgências de Goiânia Waldomiro Cruz (HUGO) instituído conforme Portaria nº 016 de 18 de Dezembro de 2002, nos termos da Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) de número 466, de 12 de dezembro de 2012, e normas complementares. Renovação do registro aprovada em: 30 de julho de 2014, conforme Carta Circular nº 091/2014 CONEP/CNS/GB/MS.

Papel do Comitê:

O Comitê de Ética em Pesquisa é responsável pela avaliação etica e acompanhamento dos aspectos éticos de todas as pesquisas envolvendo seres humanos realizadas na Instituição ou fora dela. Este papel está bem estabelecido nas diversas diretrizes éticas nacionais e internacionais. Diretrizes estas que ressaltam a necessidade de revisão ética e científica das pesquisas envolvendo seres humanos, visando salvaguardar a dignidade, os direitos, a segurança e o bem – estar do participante da pesquisa.

Toda pesquisa envolvendo seres humanos deverá ser submetida à apreciação de um Comitê de Ética em Pesquisa, inclusive estudos de dois ou mais casos.

 

SONY DSC

Atual na manutenção predial e de equipamentos do hospital.

 

HOTELARIA Ba (19)

Ao contrário do que o senso comum geralmente supõe, o risco de uma infecção hospitalar é iminente em um hospital de traumas. O paciente já chega ao HUGO com o processo infeccioso em si, depois de acidentes e perfurações, por causa das escoriações e ferimentos que sofre e o contato com a sujeira e objetos contaminados. É como uma superfície estéril que foi vazada. “O controle de infecção hospitalar sempre será um desafio para um hospital de traumas”, afirma o diretor-geral do Hugo, Ciro Ricardo Pires de Castro.

O Hugo não é um hospital convencional. É o segundo maior do Estado. São três toneladas de roupas, lençóis e panos cirúrgicos processados por dia. Uma das primeiras providências foi contratar uma empresa para cuidar de toda a estrutura. A Grifort, de Cuiabá, tem trabalho consolidado em 20 cidades e ganhou o contrato para ficar responsável por tudo o que diz respeito à parte de hotelaria de padrão hospitalar. Além de lavar, há processos de triagem, desinfecção, esterilização, embalagem e distribuição do material a ser usado em enfermarias, UTIs e centro de cirurgia.

A responsável técnica pelo CHH é Darllana Espindula, graduada em Enfermagem e com especialização em Controle de Infecção, ambos os cursos pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO). O ambiente do local parece ser totalmente asséptico, mas o controle pede mais ainda. Há diversas formas de minimizar qualquer risco de contaminação. Tudo regulado por normas da Vigilância Sanitária. “Na verdade, muitas vezes a empresa se antecipou ao que depois a própria Vigilância veio a pedir”, diz Darllana.

A chamada “área suja” — para onde são levados os materiais e vestimentas usados por cirurgiões, enfermeiros e pacientes — é totalmente isolada e uma equipe de colaboradores faz a separação das roupas, dividindo entre os diversos graus — de sujeira mínima a inutilizável.

Equipamentos essenciais

A autoclave que serve à esterilização do material que será utilizado nas cirurgias é um ponto chave no trabalho do CHH. A própria máquina identifica os problemas na carga: se houver alguma coisa, o conteúdo é descartado e todo o processo tem de ser refeito. Depois, dentro de cada pacote já embalado, há um integrador que verifica, por meio de uma linha termossensível, se o kit está realmente pronto para uso. Isso foi uma pequena revolução, pois reduziu sensivelmente o número de procedimentos que tinham de ser adiados por falta de condições de uso do material. “O índice de cirurgias aumentou 43%”, informa Darllana Espin­dula. É um aumento considerável, levando-se em conta seu impacto social — quantas vidas foram preservadas com esse ganho de qualidade?

Por fim, outro equipamento que controla o ambiente é o “fresh air”, uma espécie de ionizador do tamanho de uma caixa de som, instalado no alto de uma parede, que reduz em 99,9% a presença de micro-organismos no ambiente.

Toda o espaço gerido pela terceirizadora mostra ser, aparentemente, o mais rigoroso possível no tocante à observação das normas de segurança e higiene. E a diferença entre “antes” e o “depois” — do qual, por exemplo, a nova calandra (máquina usada para alisar as peças em tecido), em relação à antiga, é prova viva — não deixa dúvidas: o “coração do Hugo”, como chegou a dizer o próprio diretor, está mudado para muito melhor.

A Dona Gentileza que gera gentileza

O lema instaurado no Hugo para o tratamento com os internados e seus acompanhantes é autoexplicativo: paciência com o paciente. Como o serviço de camararia também está sob responsabilidade do CHH, todas as colaboradoras são treinadas em prol da humanização do atendimento. Se Darllana Espindula cuida da parte técnica, a psicóloga Kelly Cristina Rezende é quem comanda o trabalho de gerenciamento humano.

As camareiras têm turnos de 12 horas por 36 horas, em quatro equipes. Cada uma delas é responsável por um andar. Além de fazer os procedimentos de troca de roupas e lençóis de UTIs, centros cirúrgicos e enfermarias, elas são responsáveis também por grande parte da interação com os pacientes.

O nome do programa é Dona Gentileza e tem mudado a rotina do hospital, até mesmo em termos de hábitos: como todas as camareiras e demais trabalhadores da empresa terceirizada são obrigados a usar uma vestimenta padrão e abolir, por exemplo, o uso de adornos — brincos, pulseiras, anéis etc. —, o que não era costume no hospital, isso tem gerado uma mudança de comportamento também em outros setores da unidade.

Fonte: Matéria do Jornal Opção de 5 outubro de 2015

Centro Administrativo

DSC_0177

Diretoria Geral: Dr. Ciro Ricardo Pires de Castro
E-mail –  dirgeral@hugo.org.br
Telefone – 3201 – 4420/4390

Diretoria Técnica: Dr. Ricardo Furtado
E-mail – dirtecnica@hugo.org.br
Telefone – 3201 – 4392

 

Diretoria Administrativa: Hernani Vaz Kruger  
E-mail – diradm@hugo.org.br
Telefone – 3201- 4359/4

 

Diretoria Clínica: Dr. José Joaquim Gomide Neto
E-mail – dirclinica@hugo.org.br
Telefone –  3201-4392

recursos-humanos

Principais atribuições: processo seletivo; contratações; rescisões; apoio aos servidores e diretoria, 


E-mail: 
rh@gerir.org.br

Telefone: 3201-4444

ADMINISTRACAO-PESSOAL

Realizam a coordenação de administração de pessoal; férias; frequências e licenças.

E-mail: admpessoal@hugo.org.br
Telefone: 3201-4444

 

Núcleo-de-Segurança-do-Paciente-(NSP)

O NSP é a instância criada para promover e apoiar a implementação de ações voltadas à segurança do paciente.

Compete ao NSP promover a gestão de risco, por meio da aplicação sistêmica e contínua de políticas, procedimentos, condutas e recursos na identificação, análise, avaliação, comunicação e controle de riscos que podem comprometer a segurança, com o intuito de estabelecer barreiras para a prevenção de incidentes nos serviços de saúde.

Também é função do NSP implantar os Protocolos Básicos de Segurança do Paciente, que são: Protocolo de Identificação do Paciente; Protocolo de Segurança na Prescrição, Uso e Administração de Medicamentos; Protocolo de Cirurgia Segura; Protocolo para a Prática de Higiene das Mãos; Protocolo de Prevenção de Quedas; Protocolo de Prevenção de Úlcera Por Pressão.

O NSP – HUGO/GERIR é subordinado diretamente à diretoria geral e possui como membros profissionais de diferentes equipes (medicina, enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, fonoaudiologia, gerenciamento de resíduos, núcleo de vigilância epidemiológica, engenharia clínica, serviço de controle de infecção hospitalar, laboratório, radiologia e banco de sangue), que se reúnem mensalmente para discutir assuntos relacionados à segurança do paciente da instituição.

Dentre os princípios e diretrizes do NSP está a disseminação sistemática da cultura de segurança que é o conjunto de valores, atitudes, competências e comportamentos que determinam o comprometimento com a gestão da saúde e da segurança, substituindo a culpa e a punição pela oportunidade de aprender com as falhas e melhorar a atenção à saúde.

Autorização de internação hospitalar (AIH)

É um documento médico que solicita a internação do paciente junto ao hospital. Ele é encaminhado ao NIR (Núcleo interno de Regulação) que é posteriormente encaminhado à Prefeitura de Goiânia.

O sistema funciona online, 24 horas, ininterruptamente.

qualidade

Qualidade Hospitalar representa ações articuladas no intuito de obtenção de maiores benefícios, com os menores riscos possíveis para o paciente, buscando uma integração harmônica de todas áreas internas nos processos de gestão, assegurando uma assistência humanizada e resolutiva.

Foi criado no Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), atendendo às prerrogativas para a qualificação hospitalar, através dos processos de avaliações pelos organismos reguladores e normatizadores instituídos pelo Ministério da Saúde.

Tem por objetivo  assegurar que  a Gestão da Qualidade (GQ) seja estabelecida, implantada e mantida, de acordo com a NBR ISO 9001:2008.

Email: qualidade@hugo.org.br
Telefone: 3201-4444

 

Untitled-1

O Setor de Controle de Infecção Relacionado à Saúde – SCIRAS, tem como principal atividade o controle e a prevenção das infecções relacionadas à assistência à saúde.

RESIDENCIA-MÉDICA---2

A Comissão de Residência Médica do Hospital de Urgências de Goiânia e a Secretaria de Estado da Saúde são engajadas na formação de médicos capacitados. A residência médica é uma modalidade de ensino de pós graduação para os médicos se especializarem em determinada área. Esse método de ensino traz muitos benefícios, tanto para os residentes, que tem campo de estágio com a supervisão de um preceptor (professores supervisores), quanto para o HUGO, que amplia a quantidade de atendimento à população com melhora na qualidade do serviço prestado.

A COREME conta com um corpo de 65 médicos preceptores e 63 médicos residentes. As áreas são muito diversificadas, entre elas estão: clínica médica, cirurgia geral, ortopedia, neurologia, terapia intensiva, cardiologia e geriatria. Com o apoio do instituto GERIR, foram acrescentadas 10 novas vagas de especialização, sendo quatro para medicina de urgência, duas para cirurgia do trauma e quatro de medicina intensiva. Com apoio do CNRM (Credenciamento da Residência Médica) foram aprovadas três vagas para anestesiologia.

Telefone: 3201.4444

4_informatica

Suas principais atribuições: Suporte e administração da rede/usuário; manutenção de equipamento de computadores e impressoras; alimentação de sistemas implantados (Intranet); escala médica; ocupação e consulta de leitos; relatórios e gráficos.

E-mail: ti@hugo.org.br.
Telefone: 3201-4444

fonoaudiologia

No âmbito hospitalar o fonoaudiólogo integra a equipe de saúde atuando de forma interdisciplinar. Esta atuação é caracterizada pelo atendimento do paciente ainda no leito hospitalar de maneira preventiva, precoce e intensiva. As principais ações estão voltadas para as avaliações, terapia fonoaudiológica e orientações aos cuidadores e familiares com relação aos cuidados específicos do paciente. A atuação da fonoaudiologia objetiva a redução e prevenção de alterações fonoaudiológicas que comprometem principalmente a deglutição. O fonoaudiólogo também atua na promoção da comunicação de pacientes temporária ou permanentemente impossibilitados de se expressar ou com dificuldades para falar ou entender. É, portanto, um trabalho que visa à manutenção de funções vitais, assegurando a qualidade de vida.

 

O HUGO realiza os exames pré-transfusionais, ou seja, verificação de tipagem sanguínea e fator Rh. São utilizadas de 800 a 1.000 bolsas por mês.

Os principais exames realizados pelo Laboratório de Análise Clínica do HUGO são:

  1. Seção de microbiologia
  • Bacterioscopia
  • Baciloscopia (Ziehl-Neelsen)
  • Cultura para bactérias aeróbias – identificação e antibiograma (disco-difusão e determinação da concentração inibitória mínima)
  • Cultura para fungos leveduriformes – identificação e fungigrama
  • Rotina de líquidos corporais
  • Micológico direto
  • Tinta China
  1. Seção bioquímica
  • Teste rápido de HIV
  • Beta HCG
  • Troponina
  • D-dímero
  • Rotina de líquidos corporais (LCR, líquidos sinovial, ascítico, pleural)
  • Fosfatase alcalina
  • Alanina aminotransferase – ALT
  • Aspartato aminotransferase – AST
  • Amilase
  • Creatinoquinase –CK Total
  • Creatinoquinase fração MB –CK MB
  • Gama glutamiltransferase
  • Lactato desidrogenase
  • Lactato
  • Lipase
  • Proteínas totais e frações
  • Proteínas urinárias – 24h
  • Proteínas LCR
  • PCR
  • Bilirrubina total e frações
  • Creatinina
  • Clearance de creatinina
  • Creatinina urinária
  • Cálcio urinário – 24h
  • Cloreto
  • Potássio
  • Sódio
  • Sódio urinário – 24h
  • Colesterol
  • LDL colesterol
  • HDL colesterol
  • Triglicérides
  • Magnésio
  • Magnésio urinário – 24h
  • Fósforo
  • Fósforo urinário – 24h
  • Uréia
  1. Gasometria arterial e venosa
  • Parâmetros gasométricos (pH, gases, oximetria)
  • Eletrólitos
  • Lactato
  1. Seção uranálise
  • Urina tipo I – EAS
  1. Seção hematologia
  • Rotina de líquidos corporais (LCR, líquidos sinovial, ascítico, pleural)
  • Hemossedimentação
  • Contagem de reticulócitos
  • Tempo e atividade protrombínica – TAP
  • Tempo de tromboplastina parcial – TTP
  • Hemograma
  • Pesquisa de hematozoários

 

 

fisioterapia

O setor de Fisioterapia do HUGO é essencial para a reabilitação do paciente por se tratar de um hospital de trauma, urgência e emergência. Com mais de nove mil atendimentos por ano, esse setor é responsável pela assistência a pacientes em estado grave. Conta com uma equipe de trinta fisioterapeutas e três residentes, que atuam de forma ininterrupta de dezoito horas por dia, divididos entre UTI, enfermarias e pronto-socorro. Tem como missão prestar assistência fisioterapêutica de forma humanizada e eficiente aos usuários do Hospital, garantindo a integralidade da atenção, assim como contribuir para o processo de ensino e pesquisa em consonância com as diretrizes da política nacional de saúde.

Térreo

protocolo-de-manchester_2

É o Departamento que avalia a situação do paciente, determinando a que tipo de atendimento ele será submetido. Diariamente, grande número de pacientes procuram os serviços de urgência.

Para a garantia da segurança e qualidade do paciente, o GBCR realiza a implantação do Sistema Manchester de Classificação de Risco, o qual visa a determinar a prioridade clínica do paciente, garantindo que o primeiro atendimento médico ocorra no tempo adequado.

Para tanto existe um aparelho computadorizado que, a partir de um questionário, determina qual atendimento deve ser priorizado. A mesma máquina faz exames complementares para garantir a certeza da classificação, que são: saturação, frequência cardíaca, temperatura, glicemia e pressão arterial.

5-NEUROCIRURGIA

O Serviço de Emergência do HUGO apresenta um trabalho que faz toda a diferença para os pacientes. Na Sala da Emergência há médicos de todas as especialidades a postos para os casos de urgência, ao invés de o paciente se deslocar na maca para outras salas ou esperar o médico de uma determinada especialidade, eles já se encontram reunidos aonde o paciente chega em busca de socorro. Essa qualidade no atendimento ajuda em todos os casos, mas principalmente naqueles em que tempo é um dos principais aspectos a ser levado em conta.

Os especialistas de plantão na Emergência são: cirurgião geral, bucomaxilar, neurocirurgião, cardiologista, cirurgião vascular, ortopedista e anestesista. 

 

protocolo

Atendimento ao público das 08:00 às 17:00 horas.

Para a retirada do prontuário o prazo será de 30 (trinta) dias após a alta do paciente e entrega da xerox do prontuário, será feita em dois dias úteis, após o pedido.

1_CONSULTORIO

GERENCIA-MEDICA

Setor responsável pela gestão do corpo clínico do Hugo.

odontologia

O serviço de Odontologia atua diretamente nas UTI, examinando cada paciente internado, desenvolvendo um trabalho humanizado de fundamental importância para a melhoria da qualidade de vida e controle das infecções, promovendo a saúde bucal do paciente. Além do treinamento para as equipes técnicas desenvolverem a correta higiene bucal aos internos das UTI, os cirurgiões-dentistas fazem suturas da mucosa bucal e língua, remoção de aparelhos ortodônticos e próteses dentárias, contenção de dentes luxados, curativos, instalação de protetores bucais de silicone, tratamento de feridas bucais, raspagem de tártaro e todos os cuidados odontológicos necessários, trabalhando sempre integrados com os demais profissionais da equipe multidisciplinar. Colaboradoras técnicas em saúde bucal percorrem os leitos das enfermarias, orientando os pacientes e acompanhantes quanto ao uso de próteses, cuidados de higiene oral e identificando os que necessitam do atendimento do cirurgião-dentista.

Os pacientes em condições de se locomover vão ao ambulatório e recebem o tratamento odontológico necessário. Já os que não podem se deslocar recebem esses cuidados no próprio leito. A boca é um reservatório de bactérias em potencial e quando o paciente está internado, com a imunidade reduzida, os cuidados bucais precisam ser multiplicados, tanto na prevenção quanto no tratamento das patologias instaladas, pois esse cuidado promove uma recuperação mais rápida da saúde geral, muitas vezes diminuindo a necessidade do uso de antibióticos e melhorando a nutrição do paciente.

2_nir

O Núcleo Interno de Regulação (NIR) é órgão responsável por fazer a interface entre o Hospital e a Central de Regulação (municipal e estadual). O trabalho dos colaboradores desse setor se concentra em cadastrar e contabilizar pacientes não regulados, que são aqueles que passam pela classificação de risco ou pelo chefe do plantão para saber se é do perfil ou não da Unidade. Em seguida, o NIR cuida dos trâmites legais para a internação do paciente no âmbito da cota direta. O sistema do hospital é interligado com o do Estado e toda solicitação deve ser registrada para fins de faturamento e prestação de contas. Criado em fevereiro de 2008, o NIR também é responsável pela transferência intra-hospitalar dos pacientes, ou seja, cuida para que eles recebam os serviços especializados de acordo com as suas necessidades. 

INFECCAO-HOSPITALAR---LAVANDO-AS-MAOS

O Setor de Controle de Infecção Relacionado à Saúde – SCIRAS, tem como principal atividade o controle e a prevenção das infecções relacionadas à assistência à saúde. Com uma equipe de médicos, enfermeiros, técnico de enfermagem e auxiliar administrativo.

Smiling young woman using a mobile phone

Para facilitar a comunicação entre o paciente e acompanhante com o Hospital, os colaboradores do Serviço de Relacionamento ao Usuário – SRU,  procuram, diariamente, cada paciente ou acompanhante, colhendo informações de como transcorre o atendimento e encaminhando à Diretoria todas as reclamações, críticas e sugestões.

É um mecanismo institucional para a participação dos cidadãos, que contribui com a gestão democrática e participativa da saúde pública.

E-mail: ouvidoria@hugo.org.br
Telefone: 3201.4334

FAIXADA HUGO (11)

Quatro guichês com avaliação de pesquisa de satisfação após o atendimento.

Telefones: 3201-4363 – 3201-4362.

DSC_0158

Oferecendo conforto e comodidade, o Hospital de Urgências de Goiânia reformou e ampliou sua recepção, com cadeiras confortáveis, televisores, banheiros, bebedouro e informações contínuas a quem procura pelos pacientes.

DSC_0142

Para o atendimento dos retornos são disponibilizadas  cadeiras na recepção, com televisor e placar eletrônico com os nomes dos médicos e especialidades em atendimento.

Retornos ambulatoriais para pacientes egressos em acompanhamento pós-alta.

Telefone: 3201.4444

13---ASSISTENCIA-SOCIAL

A atuação do Serviço Social no HUGO abrange um conjunto de ações dos profissionais que visam ao atendimento integral de qualidade aos usuários. De modo geral, os assistentes sociais atendem os pacientes internados e seus familiares, com orientações e encaminhamentos necessários aos casos específicos tais como: traumas, violências, maus tratos, tentativa de autoextermínio, óbito, acidente de trabalho e outros. Destacam-se ainda, os pacientes desacompanhados ou não identificados, mulheres vítimas de violência, andarilhos, pessoas em situação de rua, idosos, crianças, adolescentes, pessoas portadoras de necessidade especiais, com transtorno mental e dependência química.

O Serviço Social está presente no HUGO desde a sua fundação e dispõe de 16 profissionais atuantes de forma integral.  São capazes de reconhecer as capacidades e debilidades individuais dos pacientes e seus familiares e a correlação destes com as condições sociais e de saúde da comunidade em que está inserido.

A inserção dos assistentes sociais no espaço hospitalar se dá no processo de mediação em que uma gama de situações se apresenta no cotidiano dos profissionais. A emergência-urgência é o lugar onde se dá o inesperado; o assistente social está preparado para atender os diversos conflitos e orientar os usuários sobre seus direitos.

Coordenadora da divisão de serviço social: Solange Generosa de Sousa.

TELEFONIA

Telefone: 3201.4444

tratamento-psicologico

O atendimento psicológico no HUGO funciona ininterruptamente e se volta para os pacientes e visitantes de todas as unidades. O psicólogo, em relação ao atendimento,  faz a ponte entre o paciente e a família.

Essa equipe passa nas enfermarias para saber se o paciente precisa de auxílio psicológico e prepara os familiares para entrarem na UTI. 

emergencia e equipamentos (7)

DSC_0080

banner-assessoria1

Coordenadoria de Comunicação: Fabrícia Hamu
Jornalistas: Jovana Colombo e Monique Arruda
Telefones: (62) 3201.4339 – 3201.4377

ATRIBUIÇÕES:

1. Atendimento à imprensa; agendamento e acompanhamento de entrevistas com fontes e personagens do HUGO; envio de informações acerca do Hospital solicitadas pela imprensa; levantamento de personagens e fontes para a imprensa produzir reportagens; repasse de informações sobre o estado de saúde.

2. Produção da publicação institucional Informativo HUGO, que é bimensal e tem tiragem de 4.000 exemplares; produção das reportagens; produção das fotografias; edição do jornal; distribuição da publicação em órgãos estratégicos do Estado e em unidades de saúde.

3. Análise do noticiário: clipagem do material veiculado da imprensa sobre o Hospital e análise do mesmo; elaboração de relatórios analíticos de mídia espontânea semanalmente e envio do mesmo à Comunicação Setorial da Secretaria de Estado da Saúde.

4. Captação de mídia espontânea: produção de releases, notas e sugestões de pauta sobre atividades do HUGO e envio dos mesmos à imprensa; articulação com a imprensa para a publicação das notícias do Hospital; articulação com Comunicação Setorial da Secretaria de Estado da Saúde para a divulgação dos materiais sobre o HUGO no site institucional da pasta.

5. Atendimento à Comunicação Setorial da Secretaria de Estado da Saúde: elaboração de relatórios, fichas técnicas e dados para a SES-GO; envio de fotos e informações sobre o Hugo.

6. Atendimento às agências de publicidade e produtoras de vídeo (contratadas pelo Estado para produção de material institucional): acompanhamento das equipes de produção de vídeos e fotos dentro do HUGO; elaboração de roteiros com informações institucionais para produtoras e agências; definição de locações dentro do Hospital para filmagens.

7. Gerenciamento de crise: identificação de indícios que podem gerar crise de imagem do Hospital na imprensa; definição de táticas e estratégias para evitar ou solucionar crises de imagem do HUGO nos veículos de comunicação.

 

MIDIAS SOCIAIS

Serviços de monitoramento, gestão e intercomunicação em Redes Sociais: (Facebook; Twitter e Instagram); site do YouTube (com gravação, produção e edição de vídeos); abastecimento do canal do Flickr para hospedagem e partilha de imagens fotográficas; filmagens de eventos culturais, palestras, seminários e entrevistas realizadas na sede do Hospital de Urgência de Goiânia (HUGO).

Acompanhe o dia-a-dia do hospital pelas Redes Sociais.

 

0_FACE

0_INSTAGRAN

o-YOUTUBE

0_flickr

0_TWITTER

 

 

26.04.2016 - Reforma UTI II e Arvore da Vida (3)

ENTENDA O QUE É O CHIHDOTT

Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CHIHDOTT) – Depoimentos dos médicos Dr. Durval Ferreira Fonseca e Dr. Guillermo Sócrates Pinheiro de Lemos, feitos durante homenagem aos familiares de doadores, na campanha Setembro Verde, ocorrido no auditório do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), em 24 de setembro de 2015.

Veja vídeo …

ÁRVORE DA VIDA

Monumento homenageia doadores de órgão

Com o objetivo de prestar uma homenagem aos doadores de órgãos e seus familiares, o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) inaugurou o Memorial Árvore da Vida, obra assinada e doada pelo artista plástico Siron Franco. A solenidade de entrega do monumento foi nesta terça-feira, 26 de abril, às 10 horas, na Recepção Social do hospital, e contou com a presença das famílias, de representantes da Central de Notificação, Capacitação e Distribuição de Órgãos de Goiás (CNCDO), do Secretário de Saúde Leonardo Vilela e de outras órgãos do Estado. Às 9h30, antes da solenidade, foi feita a apresentação dos novos leitos de UTI, no primeiro andar do hospital.

O Hugo é atualmente a unidade de saúde que mais capta órgãos para doação em Goiás, respondendo pela maioria das captações. Em 2014, quando o hospital começou este trabalho, foram coletados no Estado 70 órgãos – entre coração, fígado, pâncreas, rim e pulmão –, sendo que 67 deles foram provenientes de pacientes do Hugo. Ou seja, 95,7% do total. Em 2015, dos 113 órgãos captados para doação em Estado, 82 foram provenientes do Hugo.

Criar um memorial para homenagear doadores é uma forma de valorizar o ato das famílias que, mesmo diante da dor da perda de um ente querido, tiveram a nobreza de ajudar outras pessoas que aguardam por um órgão para transplante. Apesar de ser popular no exterior, a exemplo dos Estados Unidos, no Brasil existem poucos memoriais dedicados a doadores de órgãos. Os estados de Minas Gerais e Paraná contam com obras do gênero.

Alto índice de recusa

No Brasil, a doação de órgãos ainda é tabu, por motivos diversos. Por isso, o Ministério da Saúde vem realizando um trabalho de conscientização da população sobre a importância da doação. Afinal, é alto o índice de recusa das famílias em autorizar a retirada dos órgãos de pessoas que tiveram morte encefálica para doação. No Hugo, pode-se constatar este fato. Em média, de dez famílias abordadas na unidade hospitalar, apenas três autorizam a doação. Ou seja, o percentual de recusa chega a 70%. Esta realidade faz parte do cenário nacional. O índice de recusa no Brasil gira em torno de 44% e em Goiás 64%.

Como consequência, a fila de espera por um órgão para transplante não para de crescer. Em Goiás, existem 911 pessoas aguardando; no Brasil inteiro, são 31.915 candidatos, de acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). Em 2015, no País inteiro, 2.854 pessoas que tiveram morte encefálica foram doadoras. Em Goiás, foram 44. O perfil do doador é, geralmente, pessoa do sexo masculino, vítima de traumatismo cranioencefálico (TCE) ou acidente vascular cerebral (AVC), com idade entre 18 e 49 anos.

Para reverter esta situação, é necessário que ocorra uma mudança de comportamento dos brasileiros. “A conscientização acontece de forma gradual e progressiva. Tem de ocorrer a modificação de uma cultura. E isso demanda tempo e trabalho de todos nós”, aposta Ciro Ricardo Pires de Castro, diretor Geral do HUGO. “Necessitamos e muito aumentar as doações. Mas isso não depende só da gente desejar. Nós precisamos implantar e implementar parcerias com instituições, com profissionais. Precisamos conscientizar a população da importância das doações, porque temos muito doadores em potencial, mas não temos as doações suficientes”, explica Luciano Leão, coordenador da CNCDO.

A obra e o artista

Siron Franco, que é um entusiasta do projeto, não cobrou cachê pelo trabalho. A trajetória do artista, iniciada nos anos 1970, comprova sua forte ligação com questões sociais. A exemplo do acidente radiológico com o césio 137, ocorrido em Goiânia, em 1987, quando pintou a série intitulada Césio; a realização de um memorial dedicado aos povos indígenas, como forma de denunciar o descaso das autoridades diante dessa população; além de outros projetos.

“A iniciativa é maravilhosa. Primeiro porque reconhece a importância da doação de órgãos, que salva vidas e incentiva outras famílias. Segundo por levar a arte para dentro de um hospital”, destaca. “Estou doando meu trabalho. Cresci com sentimento de coletivo, vendo meus pais fazendo trabalho voluntário. Aprendi em casa”, explica o artista para justificar seu gesto. O memorial do HUGO com o formato de árvore é inédito no País. “Será um pequizeiro, onde cada fruto trará as iniciais do nome do doador”, adiantou o artista.

 

1º Andar

centro cirurgico

O hospital possui excelentes equipamentos, todos novos, contando com microscópios e vídeos modernos, sendo considerado uma das melhores unidades hospitalares da capital.

DSC_0080

Capacidade de 13 leitos.

 

1

Novos leitos de UTI para o HUGO

O Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), entregou no dia 26 de abril de 2016, com a presença do Secretário de Saúde, Dr. Leonardo Vilela, diretores e colaboradores do hospital, 20 (vinte) novos leitos de UTI. Com isso, a logística de atendimento e moderna infraestrutura estão aliadas para assistir o cidadão goiano, que conta com um ambiente semelhante ao dos melhores hospitais particulares do País.

O público recebe um espaço mais humanizado e menos artificial. São vinte leitos com equipamentos de última geração. Todos contam com pontos de hemodiálise, respiradores modernos e camas elétricas – que auxiliam na assistência, garantindo comodidade tanto para os pacientes quanto aos colaboradores. O conforto dos internos também foi preconizado. Janelas de blindex proporciona o contato dos pacientes com a luz do dia, o que auxilia na sua recuperação. Televisores com som direcionado e individualizado em cada leito também será uma das melhorias apresentadas.

 

onde-guardar-os-medicamentos-farmacotecnica-farmacia-manipulacao1

As farmácias satélites fazem parte do Departamento de Assistência Farmacêutica (DASF). Além delas existem a dispensação, que é a farmácia central, fornecedora dos insumos que abastecem o segundo, terceiro e quarto andar do hospital. Já as CAF (Central de Abastecimento Farmacêutico), são em número de duas e abastecem as farmácias satélites.

As farmácias satélites I e II atendem respectivamente: Pronto-atendimento, enfermarias e UTI III e IV; FARMÁCIA II – UTI I, II E Centro Cirúrgico.

2º Andar

ENFERMARIAS

70 (setenta) leitos.

Clínica médica – Responsável: Lívia Cristina Teles de Araújo.

Clínica Cirúrgica- Responsável: Lívia Cristina Teles de Araújo.

medicamentos-para-depressao

As farmácias satélites fazem parte do Departamento de Assistência Farmacêutica (DASF). Além delas existem a dispensação, que é a farmácia central, fornecedora dos insumos que abastecem o segundo, terceiro e quarto andar do hospital. Já as CAF (Central de Abastecimento Farmacêutico), são em número de duas e abastecem as farmácias satélites.

As farmácias satélites I e II atendem respectivamente: Pronto-atendimento, enfermarias e UTI III e IV; FARMÁCIA II – UTI I, II E Centro Cirúrgico.

3º Andar

enfermaria 6 (3)

107 (cento e sete) leitos
Clínica Ortopédica – Responsável: Virginia Eloiza da Silva Moreira.
Clínica Neurológica – Responsável: Virginia Eloiza da Silva Moreira.

4º Andar

enfermarias (1)

111 (cento e onze) leitos
Clinica Ortopédica- Responsável: Ricardo Pacheco.

Anexos


Nossa estrutura