Aula oferecida a residentes médicos pela Coordenação de Residência Clínica da unidade do Governo de Goiás aborda estratégias para a melhora dos desfechos da extubação

Visando à formação e ao aprimoramento de seus residentes, a Coordenação de Residência Clínica do Hospital de Urgências de Goiás Dr. Valdemiro Cruz (Hugo) promoveu a capacitação Desospitalização em Pacientes Submetidos à Ventilação Mecânica Prolongada, ministrada pelo fisioterapeuta Matheus Carvalho, professor do curso de pós-graduação em fisioterapia intensiva e urgência e emergência do ITH-Goiânia e atualmente Respiratory Therapy Consultant II e Technical Community Leader – National expert I na Air Liquide Brasil.

De acordo com Matheus, a aula abordou as estratégias para a melhora dos desfechos da extubação. “Foram montadas duas estações de aprendizado prático, onde os residentes testaram as programações de um Bilevel Positive Airway Pressure (Bipa), com diferentes modelos de máscaras e fatores que facilitam a adaptação do paciente”, explicou.

O fisioterapeuta apresentou aos residentes uma máquina de tosse e falou sobre as indicações e contraindicações do uso, discussão de casos e artigos. “Eles puderam vivenciar e conhecer uma tecnologia nova. Fizemos uma passagem dentro da plataforma de telemonitoramento de pacientes ventilados, apresentando os relatórios e indicativos de sucesso para a continuidade do cuidado e assistência médica pós alta clínica dos pacientes”, afirmou.

Para o coordenador da residência clínica do Hugo, médico Rafael Hoshino, a capacitação possibilita aos residentes compreender melhor acerca dos cuidados que um paciente em ventilação mecânica prolongada necessita.

O residente João Pedro da Rocha Santos destaca que a capacitação foi interessante, pois proporcionou um conhecimento do manejo da desospitalização em pacientes submetidos à ventilação mecânica prolongada, que é o perfil que o Hugo abrange.

“Os residentes de clínica médica são responsáveis por fazer esses cuidados com os pacientes pós-UTI. Dessa forma, a aula possibilita um manejo mais minucioso com os usuários, extraindo melhores resultados e entregando o melhor para o nosso paciente”, disse.

Julianna Adornelas (texto e foto)/Instituto Cem.

Ajustar fonte