Wilhasmar de Sousa, de 21 anos, passa pelo Corredor da Vida sob música e aplausos dos profissionais da unidade do Governo de Goiás que cuidaram dele

Após 104 dias de internação, o paciente Wilhasmar Jesus de Sousa, de 21 anos, teve alta do Hospital de Urgências de Goiás Dr. Valdemiro Cruz (Hugo). Morador de Caldas Novas, Wilhasmar deu entrada na unidade do Governo de Goiás no dia 4 de dezembro de 2021, vítima de um acidente de trânsito.

Antes de deixar o Hugo, ele foi homenageado pelos colaboradores. O jovem passou pelo corredor da vida, ao som da música Amor para Recomeçar, e foi aplaudido pelos profissionais que cuidaram dele durante a hospitalização. A ação foi idealizada pela equipe assistencial do setor de ortopedia.

“O Wilhasmar passou aqui no Hugo datas importantes e comemorativas, como Natal e ano novo. Nós, diariamente, nas visitas médicas, víamos no olhar dele a tristeza e o medo de perder a perna. A história do Wilhasmar, assim como de todos os pacientes, fez uma somatória ainda mais forte na vida de todos da equipe, que se empenhou em cuidar dele.”, disse a médica do setor de ortopedia, Eny Karla Nascimento, ao lembrar que o rapaz precisou amputar parte da perna direita.

Eny ressalta que o vínculo paciente—equipe ficou muito forte e foi uma lição de vida cuidar do jovem. “Nós da saúde caminhamos sempre na busca da estabilidade. Com o caso do Wilhasmar, pudemos entender que é da natureza sermos impermanentes”, afirma.

“Todos os dias, nos readaptamos e buscamos nos fortalecer e ficarmos fortes juntos, paciente e equipe. Eu e a enfermeira e coordenadora do 4 andar, Patricia de Souza Rezende, vimos diariamente no agir e no falar dos profissionais a busca para o melhor do Wilhasmar”, conta ainda.

A hospitalista Eny Karla destaca que os médicos Sérgio José de Lima, Fernando de Oliveira Rodrigues, Regis Vieira Castro e as enfermeiras Mercia Coutinho e Janainy Garceis, com a equipe da comissão de curativos da psicologia e do serviço social se uniram para mostrar ao Wilhasmar que é possível recomeçar. “Juntos, somos fortes, como diz a música que escolhemos para a alta humanizada: ‘ainda, exista amor pra recomeçar’”, lembrou emocionada.

Julianna Adornelas (texto e foto)

Ajustar fonte